Paróquia de São Vicente de Paulo

Curso Bíblico: Gênesis – 22ª Semana

PARÓQUIA DE SÃO VICENTE DE PAULO
3ª URGÊNCIA DA AÇÃO EVANGELIZADORA
IGREJA, LUGAR DE ANIMAÇÃO BÍBLICA E VIDA PASTORAL

ESTUDO BÍBLICO CAPÍTULO POR CAPÍTULO

Objetivo – Fazer com que as nossas comunidades leiam, conheçam e ponham em prática a Palavra de Deus.

GÊNESIS – 27, 1-46 – Folheto 22

INTRODUÇÃO – A grande pergunta que muitos fazem, até mesmo pessoas que não têm o costume de ler a Bíblia, é esta: Que é a Bíblia? E é isso que estamos tentando responder, desde o primeiro folheto do nosso estudo bíblico.

Ela é uma coleção de tradições e ciclos narrativos religiosos reverenciados como sagrados, porque foram inspirados por Deus. O reconhecimento oficial, pela comunidade, do caráter inspirado dessas tradições conferiu-lhes “status canônico”. Isso significa que gozam de um status de autoridade que nenhuma outra comunidade possui.

Como a Bíblia adquiriu sua forma atual?

A história de sua criação e seu desenvolvimento é muito longa. Em outra oportunidade, poderemos aprofundar melhor este aspecto. Aqui basta dizer que as tradições incorporadas à Bíblia e a forma que assumiram dependeram de escolhas dentro da comunidade, feitas por pessoas e grupos com autoridade para assim escolher.

Quem é responsável pelo conteúdo da Bíblia?

Proeminentes legisladores, profetas e mestres, mencionados pelo nome nos próprios textos, não foram os únicos responsáveis pelo material bíblico; houve também redatores e compiladores que aproximaram e selecionaram material de vasto tesouro literário e teológico da comunidade. Preservaram aquilo que consideraram normas religiosas e, assim, exerceram significativa autoridade na comunidade: todas as vezes que falamos aqui em autoridade, estamos referindo-nos ao Cânon bíblico.

Por que a Bíblia perdura através dos séculos?

Reconhecendo que contém material originário de épocas do passado distante e de culturas tão diferentes da nossa, só podemos nos maravilhar com sua perenidade. A razão está no fato de que, ao longo dos séculos, os fiéis permaneceram convictos de seu caráter de autoridade. Eles também consideraram seu conteúdo narrativo e tentaram moldar sua vida de acordo com ela.

É a Bíblia relevante para o mundo contemporâneo?

Esta pergunta está no centro da maioria dos debates bíblicos de nosso tempo. Não perguntamos simplesmente como a Bíblia fala ao mundo moderno, mas como pode ela falar ao mundo moderno. A primeira indagação diz respeito à interpretação, a segunda é questão da autoridade. Tem a Bíblia, ainda hoje,valor normativo para os homens e mulheres? Não basta dizer que é inspiradora. A questão é: é inspirada e, portanto, tem autoridade?

As respostas a estas perguntas serão mais bem aprofundadas no decorrer do nosso estudo bíblico.

Estudo do Gênesis - 27, 1-46 (leiam o texto).

Isaque abençoa Jacó e Esaú

Nesse capítulo 27 de Gênesis, temos o relato da bênção de Isaque a seus filhos Esaú e Jacó. Mas, antes de entrarmos no texto, numa visão completa, é importante reconhecermos que Deus é poderoso e soberano para realizar seus desígnios, para completar seu plano, mesmo diante das precipitações humanas, mesmo diante dos pecados humanos. Os planos e desígnios de Deus se realizam independente da compreensão ou da colaboração que possamos ter ou dar. Isso tudo acontece porque Deus é soberano!

No texto que nós lemos, Gênesis 27, encontramos aqui a narrativa em que os quatro membros de uma família estão envolvidos. Como verificaremos ao longo do estudo, alguns pecados são claramente percebidos: mentira, engano, decisões baseadas em preferências pessoais, rancor, amargura, ódio, desejo de vingança, enfim um

número tão elevado de pecados que parece não se tratar de um relacionamento entre pai, mãe e filho.

Observando de modo completo essa passagem, percebemos que os personagens da trama, Isaque, Rebeca, Esaú e Jacó, foram culpados pelo desenrolar da história.

Isaque foi culpado porque era o típico pai que não atentava para o relacionamento entre seus filhos. Estando ciente ou não do direito de primogenitura que Esaú desprezou, vendendo-o a Jacó por um prato de comida, sabia que desde o nascimento havia uma profecia dizendo que o mais velho serviria o mais novo e, mesmo assim, quis abençoar Esaú, o mais velho, seu preferido, que lhe preparava refeições saborosas. Como pai, numa hora tão decisiva, deixou-se levar pelo paladar.

Esaú foi culpado porque, tendo direito à primogenitura, desprezou-o e o vendeu ao seu irmão Jacó por um prato de lentilhas e, diante da proximidade da morte do pai, quebrou o acordo inicial com Jacó. Depois que se viu enganado, nutriu em seu coração amargura e ódio, planejando matar o irmão.

Rebeca foi culpada porque, mesmo sabendo da profecia de que o mais velho serviria ao mais novo (Gn. 25,23), além de fazer distinção entre os filhos, preferindo Jacó em relação à Esaú, não teve paciência para esperar a realização dos planos de Deus. Diante da proximidade da morte de Isaque, elaborou um ardiloso plano para que Jacó recebesse a bênção que já era sua por palavra divina.

Jacó, foi culpado porque, sendo o seu caráter enganador, não confiou na promessa de Deus e, além de enganar seu pai, Isaque, pela segunda vez ludibriou Esaú, seu irmão, para ficar com a bênção que Deus já tinha dito que lhe daria.

Em se tratando de Jacó, é bom que os nossos estudantes de teologia bíblica e leitores saibam que Jacó é também chamado de Israel. Ele herdou as promessas feitas a Abraão e, assim fez a ligação deste com seus filhos e com todo o povo que deles iria nascer.

Jacó tem muita importância na Bíblia, pois ele é quem dá o nome ao povo da aliança, Israel. Aliás, aqui temos uma questão interessante:

Jacó, Patriarca, recebe o nome de Israel. Israel, povo de aliança, reconhece em Jacó sua origem, seu Patriarca.

O período das histórias de Jacó, está em Gênesis 25,19-50,26. É praticamente metade do Livro do Gênesis, que tem 50 capítulos. Sua história é interrompida, por um longo período, pela história de José, seu filho. Mas depois retorna.

O que podemos entender de Jacó é que ele é o patriarca que define os rumos da história. Ele e seus filhos, os doze patriarcas, são, no seu conjunto, a fundação do povo de Israel.

Jacó é apresentado como uma figura em grande parte marcada por contrastes. Chegam a ser cômicas algumas de suas ações. Por exemplo:

- o roubo da bênção de seu pai, Isaque – Gn, 27.1-29;

- seus dois casamentos – Gn. 29,15-30,24;

- o modo como enriqueceu Gn 30,25-43;

- a fuga de Labão Gn 31, 1-32, 3;

- a luta com Deus Gn 32, 23,33;

- o Altar a Deus, em Betel – Gn 35, 1-15;

- como foi enganado pelos filhos Gn 37, 12-36;

- o emocionante encontro com o seu filho, José e a bênção de Jacó sobre os filhos de José – Gn 46, 28-34 e 48, 1-21;

- as bênçãos de Jacó e seus doze filhos – Gn 49,1.

O conjunto de histórias de Jacó é interrompido pelas histórias de José, seu filho. Encontra-se este conjunto de histórias em Gn 37, 2-50, 26. Veja que há um longo período do Gênesis em que os relatos de Jacó se misturam com os de José e de outros personagens, como Judá.

O que temos nestes capítulos do Gênesis é a interpretação histórica e teológica da fundação do povo de Israel, o povo da aliança. Em resumo, podemos dizer:

Jacó ou Israel – nome do povo da aliança;

Histórias em Gênesis – origens de Israel;

Família de Jacó – identidade de Israel;

Bênção de Jacó – a ação de Deus na história do seu povo, Israel.

Voltando no capítulo 27 de Gênesis, podemos ainda dizer que este longo capítulo dedicado à bênção de Jacó nos relata a predileção de

Isaque por Esaú e de Rebeca por Jacó; onde a influência feminina aparece com mais poderes chegou a enganar seu próprio marido em favor do filho mais novo.

Este texto bíblico está voltado para mostrar a supremacia de Israel, povo descendente de Jacó, sobre Edom, povo descendente de Esaú.

EXERCÍCIO

1. De acordo com a introdução deste folheto Nº 22, responda:

-Que é a Bíblia? – Como a Bíblia adquiriu a forma atual? – Quem é o responsável pelo conteúdo da Bíblia? - Por que a Bíblia perdura através dos séculos? – É a Bíblia relevante para o mundo contemporâneo?

2. Em Gênesis 27, encontramos a narrativa em que os quatro membros de uma família estão envolvidos. Fale sobre cada um deles.

3. Qual o outro nome de Jacó ?

4. Jacó e seus filhos falam o quê ?

5. Dê o significado:

a) Jacó ou Israel –

b) Histórias em Gênesis -

c) Família de Jacó –

d) Bênção de Jacó -

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE APROFUNDAMENTO

● Bíblia de Jerusalém

● Storniolo, Ivo – Balancin E., Como ler o Livro do Gênesis, São Paulo: Paulus 1991

● Bergant, D. – Karris.R, The Collegeville Bible Commentary. Minnesota: EUA - 1989

● Deisseler, Alfons., O Anúncio do Antigo Testamento, São Paulo: Paulus 1984

● Ravasi, Gianfranco., A narrativa do Céu – As histórias, as ideias e os personagens do Antigo Testamento, São Paulo: Paulinas 1999

● Bright, John., História de Israel, São Paulo: Paulus 2000

● Pierre, Grelet., Homme qui es tu ? Les onze premiers chapitres de la Génèse, Paris; Cerf 1973.

● Drolet, Gilles., Compredre l’Ancien Testament, Canadá 2006

● São Gerônimo., Antigo Testamento, São Paulo: Paulus 2011

● Anotações do Pe. Neto

ELABORAÇÃO – Pe. Raimundo Nonato de Oliveira Neto – Pároco da Paróquia de São Vicente de Paulo e Especialista em Teologia Bíblica pela Union Theological Seminary, Nova York– E.U.A - 1993 e pelo Centro Biblico Verbo – São Paulo – 2007 -2008.

 

Mensagem

...Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento.

Este é o primeiro e grande mandamento.

E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo...

Eventos