Paróquia de São Vicente de Paulo

Terceiro domingo de Páscoa - 2015

 

Meditamos hoje neste terceiro domingo de Páscoa o final do episódio dos discípulos de Emaús (Lucas 24,35-48).

 

É surpreendente que, enquanto o grupo estava ouvindo o relato dos apóstolos Pedro, justamente Cristo aparece no meio deles, os discípulos sentem medo e resistem em crer no que seus filhos estão vendo. Até certo ponto isso era lógico. Tinham-no visto sofrer, morrer e ser sepultado havia poucas horas, embora suficientes para a derrocada da ilusão e a esperança messiânica diante de um fracasso tão notório. Portanto, devia mesmo se tratar de um fantasma, pensam eles, uma alucinação coletiva, algo assim como uma presença “estranha”. Da insegurança nasce a dúvida e esta cria o fantasma do medo que os impede de crer; assim também foi a aparição noturna de Jesus durante a tempestade no lago da Galiléia.

 

Jesus ressuscitado acumula provas de sua identidade, como aquela diante do apóstolo São Tomé. Provas que evidenciam sua humanidade corpórea, embora glorificada, o que explica não o terem os discípulos reconhecido num primeiro instante. Mas eles, depois de um processo gradual da fé e com base em sua experiência e contato pessoal com o Senhor ressuscitado, acabaram por reconhecer que não era outro senão o próprio Jesus de Nazaré, seu mestre, que morreu e agora está vivo porque o ressuscitou.

 

Síntese: Cristo está vivo e ressuscitado: a) nos caminhos da humanidade – e atento a todas as aspirações; b) a Bíblia – na palavra revelada; c) na partilha – Eucaristia; d) na Assembleia reunida – centro do povo cristão. Jesus ressuscitado não é um fantasma, um produto de alucinação coletiva. Ele possui uma identidade corpórea, tem plena posse de suas faculdades. Ele é uma pessoa viva e concreta e está no núcleo central de sua igreja, no meio de nós.

 

Pe. Raimundo Neto
Pároco de São Vicente

Mensagem

...Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento.

Este é o primeiro e grande mandamento.

E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo...

Eventos