Paróquia de São Vicente de Paulo

Décimo quarto domingo do tempo comum - 2015

 

O evangelho refletido hoje é Marcos 6, 1-6, que nos mostra Jesus como profeta rejeitado. É surpreendente a rejeição dos habitantes de Nazaré diante da pregação de Jesus. Seu ensinamento na sinagoga correspondia a uma prática usual na tradição da época. A palavra era franqueada a quem assistia o culto, podendo dirigir-se livremente à assembleia. Entretanto, a pregação de Jesus não seguia os padrões habituais. Não lhe passava pela cabeça bajular o povo, nem dizer o que fosse do seu agrado. Não buscava ser admirado por ter uma sabedoria superior, desconhecida da população pobre e inculta da cidade. Por que, então, foi rejeitado pelo povo de sua cidade?

 

Sem dúvida, Jesus conhecia muito bem as fragilidades do povo de Nazaré. O longo período de estada na cidade, antes de iniciar seu ministério, permitiu-lhe conviver com as feridas de seus concidadãos. Ele tocou nessas feridas ao se dirigir a eles e na sinagoga da cidade. E a reação não se faz esperar. Os ouvintes de Jesus assumiram as cômodas posições de rejeitá-lo e desmoralizá-lo, quando eram apelados à conversão. As suspeitas levantadas a respeito da origem, da sabedoria e de seu poder de operar milagres, bem como um questionamento de sua condição familiar, eram inúteis. A verdade das palavras de Jesus não dependia disso. Suas denúncias não eram vazias e despropositadas. O alvo delas era bem definido. Não havia outra escapatória, a não ser levar a sério as advertências que eram feitas por Jesus e se converter. Mas a pergunta ainda persiste: Por que Jesus não foi aceito pelos seus conterrâneos?

 

1º Por causa da sua Encarnação, ou seja, Deus feito homem situado num contexto social. Eles esperavam que Deus viesse direto do céu sem o concurso humano.

 

2º Por causa de sua sabedoria e milagres, ou seja, tem inveja de Jesus e ficam escandalizados porque a profissão e a origem de Jesus são conhecidas. E jamais admitiam que alguém como Ele tivesse tanta sabedoria.

 

3º Por causa da sua origem e missão. “Este homem não é o carpinteiro?”

 

Portanto, marcados por um profundo orgulho, recusam-se a aceitar Jesus como profeta e enviado de Deus. A imagem do Messias ou do profeta não é compatível com as características familiares de Jesus. Tal atitude preconceituosa os torna fechados e incapazes de acolher o dom de Deus. DE modo que Jesus não pode fazer ali nenhum milagre.

 

Muitas vezes também nós agimos movidos pelo preconceito. Esquecemos que Deus acolhe os fracos e humildes para confundir os poderosos e soberbos e realizar as suas obras.

 

Pe. Raimundo Neto

 

Pároco de São Vicente de Paulo

Mensagem

...Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento.

Este é o primeiro e grande mandamento.

E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo...

Eventos